@Basquetecadeira
@Basquetecadeira: Seleção feminina vence a Argentina por 62 a 21 na #CopasAmericaBSR2017! https://t.co/zpZ55Btr4f@Basquetecadeira: Seleção feminina perde para o Canadá em seu 2º jogo na #CopasAmericaBSR2017. BRA 42 x 62 CAN@Basquetecadeira: Fim de jogo e a vitória é brasileira! 🇧🇷BRA 68 x 56 MEX@Basquetecadeira: Segundo quarto: Brasil 31 x 26 México@Basquetecadeira: Fim do primeiro quarto: BRASIL 19 X 16 MÉXICO!

Saiba Mais

  • • Sobre o Esporte

    Sobre o Esporte

    O basquete em cadeira de rodas começou a ser praticado nos Estados Unidos, em 1945. Os jogadores eram ex-soldados do exército norte-americano feridos durante a 2ª Guerra Mundial. A modalidade é uma das poucas que esteve presente em todas as edições dos Jogos Paralímpicos. As mulheres disputaram a primeira Paralimpíada em Tel Aviv, no ano de 1968. O basquete em cadeira de rodas foi a primeira modalidade paralímpica a ser praticada no Brasil, em 1958. Os principais responsáveis pelos primeiros passos foram Sérgio del Grande e Robson Sampaio. Nos II Jogos Parapan-americanos, em Mar Del Plata, em 2003, a seleção brasileira masculina conquistou uma vaga para Atenas 2004 retornando a uma edição de Jogos Paralímpicos após 16 anos de ausência. Já a seleção feminina participou apenas dos Jogos de Atlanta 1996. No Parapan do Rio de Janeiro, em 2007, o Brasil conquistou o 4º lugar no feminino e o 3º no masculino.

    A modalidade é praticada por atletas de ambos os sexos que tenham alguma deficiência físico-motora, sob as regras adaptadas da Federação Internacional de Basquete em Cadeira de Rodas (IWBF). As cadeiras são adaptadas e padronizadas, conforme previsto na regra. A cada dois toques na cadeira, o jogador deve quicar, passar ou arremessar a bola. As dimensões da quadra e a altura da cesta são as mesmas do basquete olímpico. No Brasil, a modalidade é administrada pela Confederação Brasileira de Basquetebol em Cadeira de Rodas (CBBC).

    Classificação

    Cada atleta é classificado de acordo com comprometimento físico-motor e a escala obedece aos números 1, 2, 3, 4 e 4,5. Com objetivo de facilitar a classificação e a participação de atletas que apresentam qualidades de mais de uma classe distinta (os chamados casos limítrofes) foram criadas quatro classes intermediárias: 1,5, 2,5 e 3,5. O número máximo de pontuação em quadra não pode ultrapassar 14 e vale a regra de que, quanto maior a deficiência, menor a classe.

    *Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB)

  • • Equipamento

    Equipamento

    As regras do basquete em cadeira de rodas são muito semelhantes às do jogo de basquete tradicional. São feitas apenas algumas modificações que levam em consideração a cadeira de rodas, a mecânica da sua locomoção e a necessidade de se jogar sentado.

    A cadeira deve se adequar a certos padrões para garantir segurança e competitividade. A cadeira pode ter 3 ou 4 rodas, sendo duas rodas grandes na parte traseira e uma ou duas na parte frontal. Os pneus traseiros devem ter o diâmetro máximo de 66 cm e deve haver um suporte para as mãos em cada roda traseira. A altura máxima do assento não pode exceder 53cm do chão e o apoio para os pés não poderá ter mais que 11cm a partir do chão, quando as rodas dianteiras estiverem direcionadas para frente. A parte de baixo dos apoios devem ser apropriados para evitar danos à superfície da quadra. O jogador poderá usar uma almofada de material flexível no assento da cadeira. Ela deverá ter as mesmas dimensões do assento e não poderá ter mais de 10cm de espessura, exceto para jogadores de classe 3.5, 4.0 e 4.5, onde a espessura deverá ser de no máximo 5 cm.

    Os jogadores podem usar faixas e suportes que o fixem na cadeira ou faixas para prender as pernas juntas. Aparelhos ortopédicos e protéticos podem ser usados. O cartão de classificação dos jogadores deve informar o uso de próteses e afins e indicar todas as adaptações na posição do jogador na cadeira. Pneus pretos, aparelhos de direção e freios são proibidos. Os árbitros devem checar as cadeiras dos jogadores no início do jogo, para que conferir se estas cadeiras estão de acordo com as normas estabelecidas.

    *Fonte: Federação Internacional de Basquete em Cadeira de Rodas (IWBF)

  • • Regras

31 de Março
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB
31 de Março
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB
31 de Março
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB
31 de Março
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB
19:00h AAPD/PB 68 X 77 FUNAD/PB

Curiosidades

O Brasil terá atletas em ação nas 22 modalidades dos Jogos Paralímpicos

leia mais

Patrocinadores